Notícias

Palestra sobre mormo é realizada em Novo Acordo

27/10/2017 - Dinalva Martins / Governo do Tocantins

Visando a prevenção e conscientização sobre o Mormo, doença infectocontagiosa, a Delegacia Regional da Agência de Defesa Agropecuária (Adapec) de Palmas realizou na quinta-feira, 26, palestra para tratar do assunto com alunos da 2ª e 3ª série do ensino médio, da Escola Estadual Dom Pedro I, no município de Novo Acordo, região leste do Tocantins, a 133 km de Palmas. Na ocasião, 58 estudantes tiveram a oportunidade de tirar dúvidas e conhecer um pouco mais sobre a enfermidade.

A palestrante e inspetora agropecuária da Adapec, Caroline Maynard,falou sobre as formas de prevenção, transmissão e cuidados com o manejo do animal com suspeita da doença, pois pode ser transmitida ao homem. “O Mormo possui alta morbidade e letalidade tanto em animais quanto em humanos, por isso, a atenção deve ser redobrada e qualquer suspeita da doença em equídeo, avisar imediatamente a Adapec” alertou.

Na oportunidade também foi abordado sobre a Portaria nº 271, que suspende em alguns municípios, inclusive em Novo Acordo, a realização de eventos abertos, a exemplo de cavalgadas e tropeadas.

O presidente da Adapec, Humberto Camelo, disse que a Agência tem realizado palestras em todas as regiões do Estado, levando orientações sobre a legislação e mais informações sobre a doença. “A informação e o conhecimento são grandes aliados para que possamos contar com a colaboração de todos para evitarmos a disseminação da enfermidade”, ressaltou.

Palestras

Nesta sexta-feira, 27, a partir das 14h, o responsável pelo Programa Estadual de Sanidade dos Equídeos da Adapec, Raydleno Mateus Tavares, ministrará palestra sobre o Mormo, no 1º Simpósio de Sanidade Animal, na sede do Centro Universitário Luterano de Palmas (Ulbra).

Mormo

O Mormo é uma doença infectocontagiosa causada por bactéria que acomete principalmente os equídeos (asininos, equinos e muares). Nos equídeos, os principais sintomas são nódulos nas narinas, corrimento purulento, pneumonia, febre e emagrecimento. Existe ainda a forma latente na qual os animais não apresentam sintomas, mas possuem a enfermidade.

Já o ser humano, normalmente é infectado pelo contato com animais doentes, os principais sintomas são febre, com pústulas cutâneas, edema de septo nasal, pneumonia e abscessos e, diversas partes do corpo. É uma zoonose de difícil tratamento, quase sempre fatal.

Em animais, não há vacina e nem tratamento eficaz para o mormo, o único método previsto na Instrução Normativa nº 24 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), é o sacrifício do animal positivo.

Compartilhe esta notícia