Notícias

Governador abre oficialmente a 2º fase da campanha contra febre aftosa

08/11/2017 - Dinalva Martins

“O Tocantins é um Estado respeitado porque tem homens e mulheres comprometidos e hoje pode ser um dos maiores celeiros para abastecer o mundo, nós estamos atentos e vamos nos preparar ainda mais”, declarou o governador Marcelo Miranda, durante o pronunciamento na abertura oficial da vacinação contra a febre aftosa, que ocorreu na manhã desta quarta-feira, 8, na Fazenda Canadá, município de Figueirópolis, região sul do Estado. O evento contou com a participação de políticos, produtores rurais, servidores e da comunidade em geral.

O presidente da Adapec, Humberto Camelo, celebrou os 20 anos sem febre aftosa e ressaltou a importância da Agência no cenário agropecuário brasileiro. “As conquistas são resultados de um excelente trabalho desempenhado em conjunto com toda a cadeia produtiva, que coloca a Adapec entre as principais agências de defesa agropecuária do país, e que levará o Tocantins a ser tornar livre de febre aftosa sem vacinação até 2023”, disse destacando as principais ações executadas nas áreas animal e vegetal, dentre elas, a vacinação de 100% do rebanho na Ilha do Bananal, o recolhimento itinerante de embalagens vazias de agrotóxicos, além do monitoramento da soja sequeiro e irrigada.  

O Tocantins exportou em 2016 mais de 33 mil toneladas de carnes e subprodutos para 24 países. Em 2017, de janeiro a setembro os números já ultrapassaram 23 mil toneladas. Entre os principais importadores estão: Rússia, Hong Kong,Chile, Egito e Emirados Árabes. “Nós vemos o empenho de todos os funcionários da Adapec, para que esse Estado fique sempre livre dessa doença gravíssima, nossa parceria é sólida”, relatou o superintendente federal da agricultura, Rodrigo Guerra citando ainda a Operação Vegas como um  momento difícil, que foi superado devido ao empenho de todos. “Com isso, os frigoríficos citados foram liberados e habilitados para continuar funcionando normalmente”, avaliou Rodrigo Guerra.

A Fazenda Canadá está localizada no município de Figueirópolis, região sul do Estado, tem como principal atividade o melhoramento genético. “Desde o início priorizei a sanidade do rebanho, é importante vacinar contra todas as doenças, principalmente contra a febre aftosa, porque animal sadio é animal vacinado”, ressaltou o proprietário da Fazenda, Anísio Francisco Silva. O prefeito de figueirópolis, Fernandes Martins, também destacou o Tocantins como exemplo no Brasil no combate a febre aftosa. “Todos os produtores têm entendido a preocupação de ficarmos livre da doença e tem cumprindo o seu papel ao longo dos anos”, pontuou.

Participaram do evento o secretário de agricultura e pecuária, Clemente Barros, presidente do Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins),Pedro Dias, o presidente da Agência Tocantinense de Saneamento (ATS), Éder Martins. o prefeito de Gurupi, Laurez Moreira, entre outras autoridades.

Região Sul do Estado

A região sul detém 11,49 % do rebanho de todo o Estado, com quase 1 milhão de bovinos, distribuídos em 12 municípios. Sempre tem alcançado altos índices vacinais contra a febre aftosa. Nessa região, tem grandes empresas instaladas que exportam carne, produtos e subprodutos, além de frigorífico registrado no serviço de inspeção estadual que fornecem produtos de qualidade em todo o Estado.  

Campanha

A segunda etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa ocorre de 1º a 30 de novembro para animais de 0 a 24 meses de idade. Essa campanha é parcial, portanto devem ser vacinados cerca de 4 milhões de bovinos e bubalinos, dos 8,7 milhões existentes.

A comprovação da vacinação deve ser feita até 10 dias após a compra da vacina, nas unidades da Adapec, presente em todos os municípios do Estado. Para declarar o ato é preciso levar a nota fiscal da compra da vacina e a carta-aviso, preenchida corretamente para atualização cadastral.

O Produtor que deixar de vacinar será multado em R$ 5,32 por animal e R$ 127,69 por propriedade não declarada. Vale lembrar que os animais só podem ser transportados mediante a emissão da Guia de Trânsito de Animal, que está condicionada a comprovação da vacina.

 

Compartilhe esta notícia